CAPÍTULO 65 - Do Prior do mosteiro

[1] Muitas vezes acontece que, pela ordenação do Prior, se originam graves escândalos nos mosteiros; [2] quando existem alguns que, inchados por um maligno espírito de soberba e julgando-se segundos Abades, atribuindo a si mesmos um poder tirânico, nutrem escândalos e fazem dissenções nas comunidades [3] principalmente naqueles lugares em que, pelo mesmo sacerdote ou pelos mesmos Abades que ordenam o Abade, é também ordenado o Prior. [4] Facilmente se verifica o quanto isto é absurdo porque, desde o início da ordenação se lhe dá matéria para se orgulhar, [5] enquanto os seus pensamentos lhe sugerem que está livre do poder de seu Abade: [6] "porque és ordenado, também tu, pelos mesmos que o Abade". [7] Daí são suscitadas invejas, brigas, detrações, rivalidades, dissenções, desordens, [8] pois, enquanto o Abade e o Prior sentem de maneira diferente, necessariamente, sob esta dissensão, perigam suas almas; [9] os que lhes estão subordinados, enquanto adulam as partes, caminham para a perdição. [10] O mal deste perigo recai, em primeiro lugar, sobre aqueles que se fizeram autores de tal desordem.

[11] Por isso achamos conveniente, para a defesa da paz e da caridade, que dependa do arbítrio do Abade a organização do seu mosteiro. [12] E, se for possível, seja organizado por meio dos Decanos, como estabelecemos acima, todo o serviço do mosteiro, conforme dispuser o Abade; [13] para que, sendo confiado a muitos um só não se ensoberbeça. [14] E se o lugar o exige ou a comunidade pedir razoavelmente e com humildade, e o Abade julgar conveniente, [15] ordene ele próprio, para si, o Prior, na pessoa de quem quer que, com o conselho dos irmãos tementes a Deus, tiver escolhido. [16] Execute, pois, o Prior, com reverência, aquilo de que for encarregado pelo Abade, nada fazendo contra a vontade ou disposição do Abade; [17] porque quanto mais elevado está acima dos outros, tanto mais solicitamente lhe cumpre observar os preceitos da Regra. [18] Se este Prior for achado com vícios ou se ensoberbecer, enganado pelo orgulho, ou se se tornar desprezador comprovado da Santa Regra, seja admoestado por palavras até a quarta vez; [19] se não se emendar, aplique-se-lhe a correção da disciplina regular. [20] E se nem assim se corrigir, seja então expulso da ordem de Prior e coloque-se, em seu lugar, outro que seja digno. [21] Se depois não permanecer quieto e obediente na comunidade, seja também expulso do mosteiro. [22] Pense, no entanto, o Abade que deve dar contas a Deus de todos os seus juízos, para que não aconteça que a chama da inveja e do ciúme queime a sua alma.